20 outubro 2007

A vida

Roberto Moraes Pessanha
Professor do Cefet Campos
e-mail: moraes.rol@terra.com.br

Hoje preciso abordar um tema diferente. Peço licença aos que vieram aqui ver uma opinião sobre política, administração ou de sugestão sobre temas afins. A vida leva-me hoje a pensar mais sobre o interior do que sobre estas circunstâncias que nos cercam.

Já me considerando desculpado atenho-me, a um dos muitos e-mails com mensagens que a companheira de rede, Cristina Lima, costuma nos brindar. Confesso hoje, que alguns eu leio integralmente, outros em parte e outros ainda acabam ficando para depois, depois e...

Esse, porém, bateu no âmago da angústia atual sobre o significado da vida e o quê efetivamente vale à pena. Ela propositalmente chamou a atenção para a observação cotidiana, mas profunda do John Lenon: “A vida é aquilo que acontece enquanto planejamos o futuro”.

Vivemos pensando no futuro e na ilusão de que a vida é para sempre. Sabemos que não é assim que as coisas funcionam, mas rejeitamos pensar no fim que pode ser um novo começo.

Li e nunca mais esqueci, no livro “O fio da vida” do Drauzio Varella que “a morte é a ausência definitiva”. Independente dos nossos credos e da esperança que podemos sentir ou intuir em algo que não é concreto, a frase não poderia ser mais chocante, além de insuficiente.

Porém, eu lhe indago: o ontem, assim como a pedra lançada, não são também ausências definitivas? Não vou pela auto-ajuda, mas não me importo pelos que avançam nestas águas.

Seguindo nas reflexões e sem querer ser piegas, mas sem preocupar-me em publicamente sê-lo, pergunto-me em voz alta: por quê complicamos nossas vidas? Por quê vivemos de menos, o tempo presente que, como alguém já disse, é o único que existe, na medida em que os demais, ou são memórias ou são possibilidades que podem ou não se concretizar?

A onda sobe, desce e esparrama na areia. Nunca uma onda será como a outra, da mesma forma que nenhum momento será igual ao que passou ou ao que virá. Que saibamos aprender as lições postas em nossos caminhos.

Mas e a vida? Ela é maravilha ou é sofrimento? Ela é alegria ou lamento? O que é, o que é, meu irmão? Há quem fale que a vida da gente é um nada no mundo. É uma gota é um tempo que nem dá um segundo. Há quem fale que é um divino mistério profundo. É o sopro do criador. Numa atitude repleta de amor. Você diz que é luta e prazer. Ele diz que a vida é viver...” Que Deus nos ajude!

Publicado na Folha da Manhã em 19 de outubro de 2007.

2 Comments:

Anonymous Luciana Pessanha said...

Várias vezes me questionei sobre td isso.Me questiono até hoje e acho que todo ser humano deveria parar um tempo e refletir sobre isso.O quê é a vida?Charles Chaplin usou essas palavras para defini-la."A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios...Por isso,cante,ría,dance,chore e viva intensamente cada momento de tua vida...antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos."

14:57  
Anonymous Luciana Pessanha said...

Várias vezes me questionei sobre td isso.Me questiono até hoje e acho que todo ser humano deveria parar um tempo e refletir sobre isso.O quê é a vida?Charles Chaplin usou essas palavras para defini-la."A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios...Por isso,cante,ría,dance,chore e viva intensamente cada momento de tua vida...antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos."

14:59  

Postar um comentário

<< Home